"SOS ANGOLA – Os Dias das Ponte Aérea" de Rita Garcia

18:59


Autor: Rita Garcia
P.V.P.: 14,90 €
Data 1ª Edição: 2011
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 260
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Oficina do Livro

Uma grande investigação. Uma história comovente.
(Nas livrarias a 5 de Setembro)

Sobre a obra:
Entre Julho e Novembro de 1975, quase 200 mil portugueses interromperam abruptamente uma vida inteira passada em Angola e vieram para Portugal através de uma das maiores pontes aéreas de resgate de civis jamais implementadas.

Aviões da TAP e de várias companhias estrangeiras voaram sem pausas entre Lisboa e África para trazer todos os que quisessem sair das cidades e dos confins de Angola antes da independência. O desespero dos últimos meses e o medo de morrer às mãos dos chamados movimentos de libertação levaram milhares de colonos a correr para os aeroportos à procura de um lugar nos aviões que partiam de Luanda e Nova Lisboa a toda a hora e sobrelotados, com pessoas a viajar em porões e casas-de-banho para aproveitar o espaço ao máximo. Comissários e assistentes de bordo trabalharam sem folgas nesses meses loucos, acompanhando homens, mulheres, crianças, famílias inteiras desamparadas e soldados à beira da morte. As tripulações, exaustas, nunca conseguiram esquecer esses dias, nem as mães que lhes pediam para ficarem com os filhos.

Recuperando esse tempo de angústia e agitação, S.O.S. Angola é um livro dramático e profundamente enternecedor, que revela cada pormenor desta epopeia e evoca as tragédias pessoais de quem teve de sair de África sem nada em direcção a um país desconhecido que, ainda por cima, acabara de viver uma revolução. Para os passageiros da Ponte Aérea, o futuro não podia ser mais aterrador.

Sobre autor:
Rita Garcia nasceu em Lisboa em Julho de 1979. Licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade Nova de Lisboa, é repórter da revista Sábado desde 2005 e autora do livro de reportagens “INEM 25 anos. Recebeu o 2º prémio Henrique de Barros, atribuído pelo Parlamento Europeu em 2003, e o Prémio de Jornalismo Novartis Oncology em 2008.

You Might Also Like

1 comentários

  1. Eu próprio estive presente nesta Ponte Aérea", dramática sem dúvida, famílias destroçadas, o medo da guerra, mas "soldados à beira da morte" e "com pessoas a viajar em porões", não vi e posso afirmar que fiz todos os aviões da "Ponte Aérea".
    Acrescentarei que a primeira aeronave a fazer Luanda Lisboa, foi da companhia francesa "chater" SATA (homónima da portuguesa), que fez voo sobre África, tendo feito uma aterragem técnica.
    Com os meus cumprimentos

    ResponderEliminar

Follow on Facebook

Site Meter