"A Cidade Impura" de Andrew Miller

19:07


Compre por: 14,94 € (aqui)
Data de Edição: 2012
ISBN: 9789722348393
Nº de Páginas: 344
Editora: Editorial Presença

Sobre a obra:
A Cidade Impura é um romance contemporâneo britânico, publicado em 2011, que venceu o aclamado Costa Book of the Year Award relativo a esse mesmo ano, prémio inglês para escritores residentes no Reino Unido e Irlanda, também atribuído a J.K. Rowling, em 1999.

Os tempos são os que antecedem a Revolução Francesa, o local é Paris. Jean-Baptiste Baratte é um jovem engenheiro que chegou da Normandia, chamado a Versailles pelo ministro do rei, que pretende contratá-lo para um trabalho: planificar e executar a demolição do cemitério e igreja de Les Innocents, vizinhos do mercado de Les Halles, em Paris. O cemitério tem sido usado ao longo dos anos mas recentemente começou a alastrar para a zona residencial em volta, que começou a ser invadida por um cheiro desagradável. A Cidade Impura ergue-se contra todas as adversidades, fura por entre os poucos raios de luz, emerge do caos e explode como uma obra de uma enorme beleza, fabricada a partir de uma matéria putrefacta e mórbida.

No top 100 da amazon inglesa e com direitos vendidos para a Alemanha, Itália, Grécia, Taiwan, Noruega e Brasil, A Cidade Impura foi recentemente nomeado para o Southbank Award 2012 e reúne quase na totalidade a pontuação máxima do ranking de críticas da amazon. Já comparado a O Perfume pelo Daily Express, dizem ainda alguns críticos que A Cidade Impura tem muito poucas imperfeições.

Sobre autor:
-

Imprensa:
«Intensamente atmosférica, embora o tema possa parecer macabro, esta eloquente obra de Miller, transborda de vitalidade e cor. A abundância de detalhes pessoais e físicos evoca Paris do século XVIII com uma surpreendente proximidade. E acima de tudo, o autor domina essa rara subtileza de levar o leitor a interessar-se por uma personagem que à partida não inspira simpatia. Se gostou de O Perfume de Patrick Süskind, vai adorar este romance.»
Daily Express

«Um dos aspetos mais brilhantes da escrita de Miller é a sua discreta capacidade de questionar, apenas pelo estilo, a nostalgia da vida tanto sob o domínio dos Bourbons como em plena destruição criativa da Revolução... Ele possui uma intuição incomparável para criar penetrantes analogias, nunca exorbitadas, que apenas geram uma sugestiva agitação... Do princípio até ao fim, a sua escrita é sempre cristalina, espontânea, acutilante e inteligente. Podemos chamar-lhe pura.»
Jonathan Beckman, Literary Review

You Might Also Like

0 comentários

Follow on Facebook

Site Meter