Cartas de Casanova - Lisboa 1757 de António Mega Ferreira

23:13

P.V.P.: 14,94 €
Data de Edição: 2012
Nº de Páginas:208
Editora: Porto Editora
António Mega Ferreira e as Cartas de Casanova
Novo livro do escritor dá voz ao aventureiro italiano aquando da sua passagem por Lisboa depois do Grande Terramoto

Giacomo Casanova é uma das grandes figuras europeias do século XVIII e a sua vida sempre fascinou António Mega Ferreira, que, no seu novo romance, o imagina a desembarcar em Lisboa após o terramoto de 1755. É esse o ponto de partida para Cartas de Casanova, que é publicado pela Sextante Editora no dia 28 de janeiro.
Recorrendo a uma ampla pesquisa e bibliografia, Mega Ferreira faz uma brilhante reconstituição histórica do país depois do Grande Terramoto, descrevendo os edifícios e praças lisboetas – ou as suas ruínas –, e os costumes, gestos e quotidiano dos personagens, muitos deles reais, que se cruzam na narrativa. Todas estas imagens são-nos apresentadas em seis cartas que Casanova teria escrito a partir de Lisboa, cidade onde proporá a criação de uma lotaria, como forma de prover ao exaurido Tesouro real, e onde terá oportunidade de se divertir, criar amizades e de se envolver em algumas aventuras amorosas.
A edição de Cartas de Casanova vem ilustrada com imagens selecionadas pelo autor.
António Mega Ferreira é um dos convidados da 14.ª edição do Correntes d’Escritas, que se realiza em fevereiro na Póvoa de Varzim.
Sobre a obra:
No verão de 1757, o aventureiro Giacomo Casanova, que se evadira pouco antes da prisão dos Piombi, em Veneza, desembarca em Lisboa. O espetáculo das ruínas provocadas pelo terramoto ultrapassa tudo aquilo que ele podia imaginar. Durante seis semanas, Casanova faz os possíveis por entender os portugueses: como é possível que a vida dos habitantes da cidade se tenha acomodado a uma tal desorganização? Conhece o comerciante Ratton e o conde de S. Lourenço, o livreiro Reycend e o marquês de Alegrete, o poeta Correia Garção e a condessa de Pombeiro. E até se encontra com o misterioso marquês de X. Chega finalmente à fala com Sebastião José de Carvalho e Melo, ainda não Oeiras, ainda não Pombal, a quem tenta vender o projeto de uma lotaria real. Exaspera-se e diverte-se, seduz e perde ao jogo, e encontra tempo para escrever seis cartas a cinco personagens importantes da sua vida. «Rien ne pourra faire que je ne me sois amusé» é a divisa que o guia. Mesmo em Lisboa.
Mesmo depois do Grande Terramoto.

Ler Excerto
Sobre autor:
António Mega Ferreira escritor, gestor e jornalista, nasceu em Lisboa, em 1949. Foi jornalista no Expresso, RTP2, O Jornal e JL – Jornal de Letras, Artes e Ideias. Fundou as revistas Ler e Oceanos. Chefiou a candidatura de Lisboa à Expo’98 e foi comissário executivo da exposição mundial. Foi presidente da Parque Expo, do Oceanário de Lisboa e da Atlântico, Pavilhão Multiusos. De 2006 a 2012, foi presidente da Fundação Centro Cultural de Belém. Tem cerca de três dezenas de títulos publicados, entre ficção, poesia, ensaio e crónica. Em 2002, recebeu o Grande Prémio Camilo Castelo Branco pela recolha de contos A expressão dos afectos. Traduziu livros de Annie Kriegel, Mishima, Cendrars, Stendhal, Unamuno e Perec. Na Sextante Editora publicou A blusa romena, Lisboa Song, Roma – Exercícios de reconhecimento e, mais recentemente, Macedo – Uma biografia da infâmia.
Imprensa:
-

You Might Also Like

0 comentários

Follow on Facebook

Site Meter