Editora Guerra & Paz | "Robinson Crusoé - Os livros estão loucos - Contado tipo aos jovens" de Daniel Defoe

11:30

P.V.P.: 12,51 € 
(à data da publicação deste post)
Nº de Páginas: 144


Sobre a obra:
O livro que tens na mão veio de uma ilha deserta. Quer dizer, não é bem deserta. Está lá um náufrago. Chama-se Robinson Crusoé. O barco em que viajava foi apanhado por uma tempestade e ele, o único sobrevivente, foi dar a esta ilha. 

Se estivesses só, numa ilha deserta, o que farias para sobreviver? Se queres mesmo saber, lê este livro. 
Robinson Crusoé cria ferramentas, constrói abrigos e barcos, aprende a caçar e a pescar… Torna-se rei da sua própria ilha! 
Mas será que Robinson está mesmo só? Há movimentos estranhos na ilha… Serão piratas? Pior ainda, serão canibais? E quem é o Sexta-Feira? Isso é nome de gente?! 
Embarca nesta fantástica aventura e anda viver todas as peripécias! Robinson Crusoé é a mais famosa narrativa de viagens, baseada numa história verídica, e agora contada como nunca imaginaste!


Sobre autor:
Daniel Foe — o apelido só seria alterado pelo autor em 1695 para Defoe — (1660-1731), é considerado por muitos o primeiro romancista de língua inglesa. Foi comerciante, economista, jornalista e espião antes de escrever o seu primeiro romance, As Aventuras de Robinson Crusoe, aos sessenta anos.
Tendo testemunhado na infância a Peste e o Grande Incêndio de Londres, acabou por se transformar num apaixonado por viagens depois de conhecer profundamente países como a França, Espanha e os Países Baixos. Com uma vida extremamente aventurosa, esteve encarcerado por dívidas e lutou durante um breve período de tempo na rebelião do duque de Monmouth. Poucos anos depois começou a escrever panfletos político-satíricos que, de novo, o iriam conduzir à prisão. Por intervenção de um ministro Tory, acabaria por ser libertado e durante onze anos viria a ser agente secreto e jornalista político dos Tories. Deliciou-se durante toda a vida na representação de diversos papéis e disfarces, utilizando-os com grande efeito como espião, e escreveu mais de quinhentos livros, panfletos e artigos jornalísticos abrangendo tópicos como a política, crime, religião, geografia, matrimónio, psicologia e sobrenatural. Morreu na cidade de Londres em 1731, segundo se diz de «uma letargia».

Imprensa:
-

You Might Also Like

0 comentários

Follow on Facebook

Site Meter