Quetzal Editora | "Dicionário Sentimental do Adultério" de Filipa Melo

10:00

P.V.P.: 14,94 € 
(à data da publicação deste post)
Nº de Páginas: 208


Sobre a obra:
«Adultério» significa relação sexual voluntária entre uma pessoa casada e alguém que não é o seu cônjuge - e é a principal causa de divórcio em todo o mundo (em Portugal há 89 casamentos e 82 divórcios por dia). Porém, a história do adultério passa também pelos grandes mitos e histórias consagradas pela literatura, pela religião, pelo cinema, pela música e pela pintura.
Da Bíblia (Abraão trai Sara com Agar) às peças de Shakespeare, das cantigas medievais a Madame Bovary ou Os Maias, do Império Romano às tramas políticas da América contemporânea, das histórias dos nossos reis e rainhas aos escândalos de Hollywood e da cultura pop, do Ulisses a O Primo Basílio, das traições dos deuses gregos à vida dos nossos vizinhos - o adultério é um elemento decisivo da história sentimental da Humanidade. 

Tem a ver com a traição e com a paixão, a tentação ou a alquimia sexual, o prazer do risco e o desejo sem ordem nem lei - mas também com o amor. E com a sua natureza frágil. Este dicionário não faz «moral» nem «defende o adultério» - é um guia tão erudito como divertido da história do adultério ou das paixões e seus escândalos e transgressões.


Sobre autor:
Nasceu em 1972, em Angola, na cidade de Silva Porto (atual Cuíto). Estudou Ciências da Comunicação na Universidade Nova de Lisboa e, em 1991, começou a trabalhar como tradutora e como marionetista na série televisiva Rua Sésamo. Em 1992, iniciou a sua atividade como jornalista. Desde então, colaborou com diversas publicações nacionais (entre outras, Ler, JL, O Independente, Grande Reportagem e Ícon) e com as estações de televisão SIC e RTP. Integrou os quadros da revista Visão entre 1994 e 1999 e foi responsável, em 1996, pela reformulação e edição da revista Livros de Portugal, da Associação Portuguesa de Editores e Livreiros. Entre 1996 e 2000, pertenceu ao Conselho Deontológico e à Direção do Sindicato de Jornalistas. Distinguida com a Menção Honrosa – Prémio Revelação 1995, pelo Clube de Jornalistas de Lisboa, e com o Prémio Nacional de Cultura Sampaio Bruno 1996, pelo Clube de Jornalistas do Porto, foi nomeada para o Prémio Bordalo/Imprensa Escrita em 1998. Como jornalista free-lancer, foi editora do suplemento «Mil Folhas», do jornal Público. Organizou várias comunidades de leitores na livraria Almedina. Este é o meu corpo é o seu primeiro romance e foi traduzido para o espanhol, francês, italiano, grego, holandês e servo-croata.

Imprensa:
-

You Might Also Like

0 comentários

Follow on Facebook

Site Meter