"Uma Biblioteca da Literatura Universal" de Hermann Hesse

novembro 30, 2010


Autor: Hermann Hesse
P.V.P.: 14,80 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 128
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Cavalo de Ferro
A livraria Bulhosa books & living de Campo de Ourique acolhe, esta quinta-feira, 2 de Dezembro, às 19h00, o lançamento do livro Uma Biblioteca da Literatura Universal, de Hermann Hesse, editado pela Cavalo de Ferro. Segue-se um debate sobre literatura, livros e hábitos de leitura moderado por João Morales e com os convidados Dóris Graça-Dias, Fernando Pinto do Amaral e João Melo.

Dóris Graça-Dias é docente da Universidade Autónoma de Lisboa, jornalista, tradutora e crítica literária; Fernando Pinto do Amaral, docente da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, traduziu para português as obras de Jorge Luís Borges e o livro As Flores do Mal, de Charles Baudelaire; e João de Melo, licenciado em Filologia Românica, escreveu obras como Gente Feliz com Lágrimas ou O Meu Mundo Não É Deste Reino.

Sobre a obra:
Os livros são fonte de satisfação, de alegrias e de conhecimento, enriquecendo a nossa vida e aumentando o valor da nossa existência. Mas quantos de nós já não nos sentimos perdidos nessa floresta densa e por vezes hóstil que é o mundo dos livros e da literatura? O que ler? Como encontrar o livro que secretamente procuramos? Hermann Hesse guia-nos neste conjunto de textos fundamentais pela floresta de papel da literatura, introduzindo-nos na “magia do livro”. Explica e ilustra com clareza o que significa encontrar um livro – acontecimento que pode ser tão ou mais importante do que o encontro com outra pessoa. Ajuda-nos de forma simples e precisa no passo mais delicado e fundamental: a criação da nossa própria biblioteca.

Sobre autor:
Hermann Hesse nasceu na Alemanha e, em 1923, naturalizou-se suíço. Oriundo de uma família muito religiosa, estudou no seminário de Maulbronn mas não seguiu a carreira de pastor, como era vontade dos seus pais. Já na Suíça trabalhou como livreiro e operário, tendo acumulado uma sólida cultura autodidacta. Procurou construir a sua própria filosofia a partir da sua revolta pessoa e da interpretação das correntes filosóficas do Oriente. Autor do célebre livro Sidharta recebeu, em 1946, o Prémio Goethe e o Nobel da Literatura.

You Might Also Like

0 comentários

Follow on Facebook