"De olhos bem abertos" de Manuel Maria Carrilho


Autor: Manuel Maria Carrilho
P.V.P.: 16,90 €
Data 1ª Edição: 2011
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 232
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Porto Editora

De olhos bem abertos

No seu novo livro, Manuel Maria Carrilho incentiva a uma mudança de perspetiva face à crise, ao país e à Europa


A Sextante Editora publica, no dia 4 de novembro, De olhos bem abertos o novo livro de Manuel Maria Carrilho.
A crise corre o risco de conduzir a uma inquietante irresponsabilidade, passando-se ao lado do essencial, que é – quer se trate do autismo financeiro ou do desastre ecológico, do impasse económico ou do susto social – o realista confronto connosco próprios. É esse confronto que, em De olhos bem abertos, Manuel Maria Carrilho propõe que se faça, defendendo uma urgente mudança de perspetiva e de paradigma.
A apresentação oficial deste livro está a cargo do Professor Viriato Soromenho Marques irá decorrer no dia 9 de novembro, às 18:30, no El Corte Inglés de Lisboa.


Sobre a obra:
Vivemos hoje, individual e colectivamente, lucida ou inconscientemente, as consequências das nossas opções. Quando estas consequências são boas, todos reivindicam um papel, quantas vezes a despropósito. Quando elas são más, não aparece ninguém a assumir responsabilidades. Pelo contrário, todos as enjeitam, escondendo-se atrás do inesperado, como se de repente uma ordem sobrenatural – a crise, claro! – se abatesse sobre a humanidade. Assim entendida, a crise corre o risco de conduzir a uma inquietante irresponsabilidade, passando-se ao lado do essencial, que é – quer se trate do autismo financeiro ou do desastre ecológico, do impasse económico ou do susto social – o realista confronto connosco próprios.
É esse conforto que, em De olhos bem abertos, Manuel Maria Carrilho propõe que se faça, defendendo uma urgente mudança de perspectiva e de paradigma. Mas para que isso aconteça, é fundamental que se compreenda a verdadeira novidade desta crise, tanto quanto à sua natureza como quanto às suas consequências. Este passo, contudo, dificilmente será dado pelosprotagonistas, e com as ideias, que conduziram à actual situação.
É preciso outro espírito, que combine realismo e utopia, são necessárias outras visões, outras instituições e outros gestos, que não sejam de pura retórica, como acontece com vagas promessas de um crescimento «mais verde», «mais sustentável» ou «mais tecnológico». Como diz Mia Couto, este «desenvolvimentês» tornou-se na linguagem do engano mais comum, porque fala do que na verdade é incapaz de pensar. E, assim, mantém os que a ouvem reféns de tudo aquilo que conduziu à crise quando, justamente, do que se precisa agora é de mudança de expectativas e de comportamentos, de linguagem e de valores.


Sobre autor:
Manuel Maria Carrilho é Professor Catedrático de Filosofia Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa, onde ensina desde 1979. Foi ministro da Cultura dos XIII e XIV Governos Constitucionais, de 1995 a 2000, deputado à Assembleia da República entre 2000 e 2008, e Embaixador de Portugal na UNESCO em 2009 e 2010. Colabora regularmente, sobre temas políticos e culturais, em diversos media. É autor de uma vasta obra, publicada em Portugal e no estrangeiro.
"De olhos bem abertos" de Manuel Maria Carrilho "De olhos bem abertos" de Manuel Maria Carrilho Reviewed by Clube dos Livros on outubro 19, 2011 Rating: 5

Sem comentários:

Com tecnologia do Blogger.