Opinião

Opinião: "Deuses ou Civilizações das Estrelas?" de António José Alves

20:37



mais informação acerca do livro neste link

Opinião:
Este livro foi bastante curioso, trata-se de uma série de mitos e lendas que o autor nos explica, através da sua investigação, de seres vindos das estrelas ou de Deuses. São abordadas civilizações e mistérios destas, que me despertam imenso interesse, como por exemplo Incas, Maias, Egípcias, Astecas, relatos OVNI's etc...
é um livro mesmo interessante para quem gosta deste tipo de tema.
Um livro muito rico e completo, muito fácil de leitura e com registos de imagens a acompanhar grande parte daquilo que o autor se refere.
Um bom livro.
Ler mais »

Novidades

"Histórias Daqui e Dali" de Luis Sepúlveda

17:02


Autor: Luis Sepúlveda
P.V.P.: 14,54 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 160
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Porto Editora
A partir do dia 8 de Novembro está disponível o mais recente livro de Luis Sepúlveda. O autor vai estar em Portugal.

Chega no dia 8 de Novembro às livrarias Histórias Daqui e Dali, o novo livro de Luis Sepúlveda, inédito em Portugal.
Depois de quatro romances de Luis Sepúlveda publicados, a Porto Editora lança agora um livro de histórias deste autor chileno que desde há muito tempo conquistou os leitores portugueses. Histórias Daqui e Dali é um conjunto de 25 relatos onde as palavras do autor nos remetem sempre para um mesmo território literário: o território dos derrotados que se negam a aceitar a derrota.
Luis Sepúlveda vem a Lisboa e ao Porto em meados de Novembro para contactos com o público e com a comunicação social.


Sobre a obra:
«Tá, diz-se em uruguaio quando se procura afirmar com ênfase, e Tá respondeu Mario Benedetti quando a decência perguntou se havia que arriscar pelos pobres, pelos fracos, pelos condenados da terra, pelos que não tinham direito à alegria, pelos que sonhavam com uma existência justa, por uma palavra ‘amanhã’ plena de sentido.»
Esta frase, que dá início a uma das histórias que Luis Sepúlveda recolhe neste livro, resume perfeitamente tanto o espírito que guia a vida do autor chileno, como as suas palavras. Palavras seguras, potentes mas sussurrantes, que sempre nos interrogam sobre o estado do mundo e das suas gentes. Foi essa interrogação constante que consagrou Luis Sepúlveda como um dos mais originais escritores de língua castelhana.
Nestas 25 histórias somos transladados para diversos cenários, distintas situações, países daqui e dali. Um território bem conhecido dos leitores de Luis Sepúlveda que, neste livro, se reencontrarão com algumas das melhores passagens da sua extensa obra literária.

Sobre o autor:
Luis Sepúlveda nasceu em Ovalle, no Chile, em 1949. Da sua vasta obra (toda ela traduzida em Portugal), destacam-se os romances O Velho que Lia Romances de Amor e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar. Mas Mundo do Fim do Mundo, Nome de Toureiro, Patagónia Express, Encontros de Amor num País em Guerra, Diário de um Killer Sentimental ou A Sombra do Fomos (Prémio Primavera de Romance em 2009), por exemplo, conquistaram também, em todo o mundo, a admiração de milhões de leitores.
No catálogo da Porto Editora (que publicará toda a sua obra) figuram já A Lâmpada de Aladino, O Velho que Lia Romances de Amor, A Sombra do que Fomos e História de uma Gaivota e do Gato que a Ensinou a Voar.



Crítica:

A escrita de Luís Sepúlveda não tem fronteiras. Viaja por territórios distintos, inspira-se em pequenos acontecimentos, descobre conexões com todo o sentido […] Jornal de Negócios

Sepúlveda é um contador de histórias nato. Eficaz e sabedor do ofício. Ípsilon, Público

Uma escrita sem grandes adornos para contar histórias cuja simplicidade é inversamente proporcional à emoção que lá vem dentro. Visão

Ler mais »

Divulgação

[Saída de Emergência] Apresentação Bang!8

16:25

Editada pela Saída de Emergência, a Bang! é uma revista de literatura fantástica que promete compensar os leitores deste género em Portugal. Começou em formato de papel em 2005, passou ao formato digital em 2007 e voltou ao formato em papel em 2009.
Mas 2010 é que é o ano da revista Bang! A editora Saída de Emergência associou-se à Fnac e a revista passará a ser distribuída gratuitamente (sim, gratuitamente!) em exclusivo nesta cadeia de lojas. A publicação será trimestral e o expositor dedicado à revista estará na zona da literatura fantástica. A edição nº 8 deverá estar disponível já em finais de Outubro.
A tiragem da revista Bang! é de 8500 exemplares, tem 64 páginas inteiramente a cores e um design cuidado e inovador. Para além da versão em papel, o PDF da revista estará disponível nas páginas da Fnac e da Saída de Emergência.
Para este número, o 8, contamos com textos inéditos de autores estrangeiros e nacionais, ensaios e ficção de várias personalidades do fantástico português. A banda desenhada e o cinema do fantástico também marcam presença, bem como resenhas, rubricas e entrevistas.
A revista será apresentada no dia 2 de Novembro, às 19h, na Fnac Chiado, pelo director da revista Luís Corte Real, pela editora Safaa Dib, e pelos colaboradores e convidados Afonso Cruz e António de Macedo.

Contamos com a vossa presença e divulgação desta nova revista que irá agitar o mercado da literatura fantástica e elevá-la a um novo patamar entre o público português.


Ler mais »

Novidades

"A Profecia de Istambul" de Alberto S. Santos

16:12


Autor: Alberto S. Santos
P.V.P.: 18,90 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 424
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Porto Editora
Depois do sucesso de A Escrava de Córdova junto do público e da crítica, Alberto S. Santos regressa com A Profecia de Istambul

Com A Escrava de Córdova, publicado em 2008, Alberto S. Santos saiu do anonimato enquanto escritor e atingiu um patamar de grande sucesso, comprovado pelos mais de 15 mil livros vendidos, um valor notável para uma primeira obra de um autor português. Dois anos depois, a 11 de Novembro, a Porto Editora publica A Profecia de Istambul, o segundo romance do escritor.
Se do primeiro livro se podia dizer que a forma como o rigor histórico (que resulta em verdadeiros momentos de aprendizagem por parte do leitor) se fundia com um enredo cativante e cheio de ritmo era o grande trunfo, desta nova obra espera-se uma leitura ainda mais entusiasmante.
Depois de no lançamento de A Escrava de Córdova, no Salão Árabe do Palácio da Bolsa, no Porto, terem estado presentes mais de quinhentas pessoas, a expectativa para o evento de apresentação de A Profecia de Istambul é muito elevada. A Porto Editora está a preparar uma grande operação em conjunto com o El Corte Inglés Gaia-Porto e em breve anunciará mais detalhes. Adiante-se, no entanto, que o livro será apresentado por Francisco José Viegas.
Alberto S. Santos foi, aliás, um autor muito solicitado para apresentações de A Escrava de Córdova. No total, foram mais de cem; visitou escolas, universidades, bibliotecas e, claro está, livrarias. Esteve na Madeira, nos Açores e também em Espanha, onde o livro já se encontra publicado. O seu primeiro romance foi um dos maiores sucessos das últimas feiras do livro de Lisboa e Porto, mesmo tendo sido publicado em 2008. No último dia do certame do Porto, o autor assinou – e o número é significativo – perto de cem livros.
A Profecia de Istambul também vai ser apresentado em digressão nacional nas livrarias Bertrand e o autor vai estar em França no início do próximo ano, no Consulado de Portugal em Paris, para dar a conhecer a obra à enorme comunidade lusa.

De Júlio Maresia a autor reconhecido
Só depois de contactar Júlio Maresia, autor de um original recebido semanas antes, é que a Porto Editora ficou a saber que esse nome era, afinal, pseudónimo de Alberto S. Santos, Presidente da Câmara Municipal de Penafiel.
Mais de dois anos depois, o pseudónimo faz parte do passado e Alberto S. Santos é um nome reconhecido, cuja obra começa a suscitar grande interesse no estrangeiro.


Sobre a obra:
A Profecia de Istambul
Apenas um pequeno grupo de iluminados conhece o inquietante mistério associado à Lança do Destino que, em silêncio, atravessa séculos e milénios. As cidades de Istambul, Argel e Salónica do século XVI são o exótico cenário da luta entre o Bem e o Mal, onde nasce uma terrível profecia que ameaça o futuro da Humanidade.
A Profecia de Istambul é um empolgante romance que traz à cena os prodigiosos seres que transformaram a bacia do Mediterrâneo num fervente caldeirão cultural durante o Século de Ouro. Num tempo em que mudar de religião pode significar a ascensão social ou a fogueira da Inquisição, muitos são os homens e as mulheres permanentemente confrontados com as mais duras penas, e com a sua própria consciência, para que tomem a decisão das suas vidas.
Pelo meio de corsários, cativos, renegados, conquistadores e judeus fugidos dos estados ibéricos, entre um inviolável pacto e um perturbante mistério, emerge uma fascinante história de amor, que irá colocar à prova os valores mais profundos de um ser humano.

A Escrava de Córdova
A acção decorre na passagem do século X para o XI, época de grandes tensões na Península Ibérica, e segue a vida de Ouroana, uma jovem nobre cristã, filha do Conde Múnio Viegas, primeiro Governador de Anégia e fundador da família dos Ribadouro. Remonta a uma época especial da História peninsular, a da fragilidade dos Reinos Cristãos e do tempo áureo do Califado Omíada sedeado em Córdova, onde governava (em nome do Califa) o seu chefe militar e civil mais conhecido: Almançor.
A Escrava de Córdova dá a conhecer o ângulo mais brilhante, mas
também o mais duro e cruel, da civilização muçulmana do al-Andalus. A narrativa é apaixonante e revela a mentalidade, a geografia, o quotidiano urbano, as concepções religiosas, a fremente História do dobrar do primeiro milénio, mas, sobretudo, a intensidade com que se vivia na terra onde, mais tarde, nasceram Espanha e Portugal. Uma explicação rigorosa para a mescla cultural e civilizacional celto-muçulmano dos actuais povos peninsulares, mas também uma profunda lição sobre as origens, fundamentos e consequências da conflituosidade étnico-religiosa que hoje, tal como no distante ano 1000, ainda grassa no mundo.

Sobre o autor:
Alberto S. Santos é advogado, formado pela Universidade Católica Portuguesa, exercendo actualmente funções públicas. É natural de Paço de Sousa, Penafiel, onde reside.
A Profecia de Istambul é o seu segundo romance, depois do best-seller A Escrava de Córdova.



Crítica:

Críticas a A Profecia de Istambul
Com grande rigor histórico, o autor convida-nos a fazer uma peculiar viagem no tempo: o século XVI nas duas margens do Mediterrâneo, ainda dominado pela Espanha, em que a Inquisição e a pirataria campeiam e as religiões se gladiam de modo implacável.
Trata-se de uma história meticulosamente engendrada com um “suspense” crescente até ao fim, através duma rede de personagens típicas de uma época em que o sagrado e o profano se confundem, a violência integra o quotidiano com naturalidade e faltam ainda dois séculos para emergir o tempo da tolerância.
Elvira Azevedo Mea, professora catedrática da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, membro da Academia Portuguesa de História e da Union of Jewish Studies, investigadora nas áreas da Inquisição e do Judaísmo.

Críticas a A Escrava de Córdova

Notável e intelectualmente irrepreensível.
Expresso

Uma teia ficcional muito interessante, carregada de cenas emocionantes, de magia medieval e mitos antigos, bem como de explicações eruditas. Lê-se com prazer e permanente curiosidade e ultrapassa, por essa mensagem, o vulgar romance histórico.
Urbano Tavares Rodrigues, escritor

Diariamente chegam-me às mãos dezenas de manuscritos de autores emergentes que procuram conhecer a minha opinião sobre o seu trabalho. Nenhum me surpreendeu tanto como A Escrava de Córdova. Ler este romance fez-me lembrar Amin Maalouf e O Périplo de Baldassare. Aqui vemos o mesmo gosto pelo detalhe e pelo pitoresco, num livro escrito com tanta alma que nos faz desejar ler sempre a próxima página.
José Rodrigues dos Santos, escritor e jornalista

O primeiro romance do Presidente da Câmara de Penafiel conta (...) o quotidiano, a geografia e mentalidade da civilização celto-muçulmana.
Revista LER

Uma história (...) sobre o caldo cultural e civilizacional fundador dos actuais povos peninsulares e uma profunda explanação sobre a conflituosidade étnica e religiosa.
Revista Os Meus Livros

Tese eficaz e arrojada, onde creio que pensadores e filósofos vão passar boa parte do século XXI, um dos claros pontos de sucesso do romance.
Pedro Sena-Lino, escritor e investigador

A Escrava de Córdova apresenta uma sólida documentação histórica, aliada a uma intriga interessante e bem modelada, quer ao nível das personagens, quer ao nível das descrições e da reconstituição dos ambientes.
Maria de Fátima Marinho, professora catedrática

É reconfortante, para quantos sentem o fascínio da Idade Média, tempo de luz e de espiritualidade, que não de trevas, como vulgarmente se diz, ver surgir mais um autor português que, com talento, contribui para resgatar do olvido a época de ouro que foi, no nosso território, a do Gharb al-Andalus.
Adalberto Alves, escritor e conferencista

Ler mais »

Novidades

"99 Clássicos do Cinema para Pessoas Com Pressa" de Thomas Wengelewski

15:54

Disponível a 3 de Novembro

Autor:
Thomas Wengelewski
P.V.P.: 10,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-972-23-4453-1
Nº de Páginas: 208
Dimensões: - x - mm
Colecção: Diversos Literatura Nº 50
Editora: Editorial Presença
99 FILMES FAMOSOS EM BD

Sobre a obra:
Se nunca teve oportunidade de ver Casablanca, E Tudo o Vento Levou, Matrix ou a maioria dos 99 filmes que integram a lista dos musts de qualquer cinéfilo, não se preocupe, está prestes a poder colmatar essa falha de forma rápida e extremamente divertida. Com muito sentido de humor, este livro oferece-lhe, em banda desenhada, um resumo em versão fast reading de cada uma destas 99 obras-primas, alargando assim, de forma exponencial, a sua cultura cinematográfica!

Filmes Clássicos retratados no livro:
Karate Kid – Momento da Verdade (1984)
Regresso ao Futuro (1985)
Os Salteadores da Arca Perdida (1981)
E Tudo o Vento Levou (1939)
Casablanca (1942)
Alien – O Oitavo Passageiro (1979)
King Kong (1933)
Tubarão (1975)
A Múmia (1932)
Um Peixe Chamado Wanda (1988)
Assalto ao Arranha-Céus (1988)
Delicatessen (1991)
Psico (1960)
Música no Coração (1965)
2001, Odisseia no Espaço (1968)
Doutor Jivago (1965)
Laranja Mecânica (1971)
O Padrinho (1972)
Pulp Fiction (1994)
Forrest Gump (1994)
Clube de Combate (1999)
O Silêncio dos Inocentes (1991)
Matrix (1999)

Sobre o autor:
Thomas Wengelewski cresceu em Milwaukee, Wisconsin, mas vendeu a alma ao diabo e mudou-se para Nova Iorque, onde publicou o jornal The Rotten Apple, entre outros delitos. Actualmente trabalha em edição em Nova Iorque e é escritor freelancer.
Henrik Lange nasceu em 1972, em Gothenburg, na Suécia. É autor de dez livros e ilustrador de várias obras infantis e didácticas.

Ler mais »

Novidades

"És a Maior, Rapariga Rebelde!" de Enid Blyton e Anne Digby

15:25


Autor: Enid Blyton e Anne Digby
P.V.P.: 12,90 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-555-527-7
Nº de Páginas: 128
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Oficina do Livro

O sétimo livro da colecção A Rapariga Rebelde


Sobre a obra:
Com o ano lectivo quase a terminar, o futuro de Elizabeth ficará decidido: será ela a mais rebelde da escola? Ou será a melhor de todas?
Em És a Maior, Rapariga Rebelde! vais viver mais uma aventura da tua melhor amiga!

Excerto
«Uma das coisas extraordinárias no Colégio Whyteleafe era que, em muitos aspectos, os alunos se governavam a si próprios. A assembleia era como um parlamento escolar, onde os problemas eram discutidos, e as soluções encontradas; mas também era uma espécie de tribunal, com o William e a Rita como juízes, e os doze monitores como os seus jurados. Alunos que se portassem mal eram forçados a enfrentar toda a escola, e a assembleia encontraria a melhor forma de lidar com o problema e resolvê-lo. E era, de facto, sempre resolvido, porque nenhuma criança era alguma vez considerada um caso perdido, que não pudesse ter reabilitação.»

Sobre as autoras:
Enid Blyton, de nacionalidade inglesa, é autora de muitos livros de aventuras para crianças e adolescentes. Escreveu histórias que ficaram para sempre no imaginário dos portugueses, como Os Cinco ou Os Sete, e criou personagens que ainda hoje fazem parte do nosso quotidiano, como o nosso amigo e tão conhecido Noddy.
Os seus livros estão traduzidos em mais de 90 línguas. Ao longo da sua vida terá escrito mais de 800 obras. A Rapariga Rebelde é, sem dúvida, um dos seus grandes sucessos.

Anne Digby é uma prolífica autora britânica, mais conhecida pelas séries Trebizon. Também escreveu os livros Me, Jill Robinson; Jud Valley Juniors; A Horse Called September, Quicksilver Horse e The Big Swim of The Summer, além de acrescentar seis títulos à colecção de Enid Blyton, A Rapariga Rebelde.
Ler mais »

Novidades

"Lennox" de Craig Russell

15:15


Autor: Craig Russell
P.V.P.: 17,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: -
Nº de Páginas: 344
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Guerra & Paz Editores
Craig Russell, autor traduzido para mais de 20 línguas, regressa às livrarias portuguesas com mais um bestseller mundial, sob a chancela da Guerra & Paz Editores. O detective privado Lennox dá o nome ao primeiro livro desta série policial.

Sobre a obra:
Lennox encontra-se na cidade errada à hora errada: Glasgow. Em 1953, a guerra terminou mas a luta nas ruas está apenas a começar, e Lennox está no centro das atenções. Entre o crime e a legalidade, entre a honra e a ganância, Lennox tem apenas uma certeza: este é um sítio onde só os mais duros e implacáveis sobrevivem.
Sem esperar, os papéis invertem-se: o detective dá por si no local do crime e tudo aponta para que ele próprio seja o criminoso.
Uma história que reúne suspense, mistério, acção e um apurado sentido de humor. O segundo livro da série será editado em 2011 pela Guerra & Paz.

Sobre o autor:
Craig Russell foi polícia e trabalhou em publicidade antes de se tornar escritor a tempo inteiro. Foi nomeado para o Duncan Lawrie Dagger Award em 2007 e ganhou o CWA Dagger in the Library, em 2008, pelos seus livros da série Jan Fabel (Bertrand).
A sua obra está traduzida em mais de 20 línguas.
Conheça melhor o autor em: http://www.craigrussell.com/

Ler mais »

Novidades

"Family Coaching" de Sandra Belo e Ângela Coelho

15:09


Autor: Sandra Belo e Ângela Coelho
P.V.P.: 13,90 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-8194-51-0
Nº de Páginas: 176
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Oficina do Livro

Pistas e desafios para ter uma família feliz


Sobre a obra:
Lidar diariamente com as teimosias e as birras dos filhos pode ser uma tarefa extenuante, apesar de se tratar do trabalho mais importante do mundo – ser pai e ser mãe. Não é fácil encontrar energia e estratégias capazes de transformar comportamentos próprios de crianças em momentos felizes e sem birras.
Neste sentido, Sandra Belo e Ângela Coelho são pioneiras em Portugal do método coaching parental, cujo objectivo é, precisamente, transformar e gerir as relações familiares.
Resultante do trabalho desenvolvido pelas autoras com centenas de pais e mães nos últimos anos, Family Coaching propõe desafios aos pais que lhes permitem melhorar vários aspectos da vida familiar, como gerir o stresse causado pela correria do dia-a-dia, equilibrar a vida profissional com a vida familiar, conseguir impor regras e disciplina, e assim desfrutar de momentos alegres e tranquilos em família.

Excerto
«Estou certo de que o Leitor faz parte de um excelente plantel, integrado num excelente balneário, mas por vezes há a necessidade de arranjar um bom treinador - um coach -, que não joga por nós nem se mete nas relações interpessoais, mas puxa por nós porque acredita que somos capazes de ir até aos limites... ou até para lá deles. Um treinador de família que, perante os desafios e os objectivos comuns, agarra em nós e nos faz transcender. Este Livro, em boa hora escrito pela Ângela Coelho e a Sandra Belo, dá uma excelente ajuda (...).»
Mário Cordeiro in Prefácio

Sobre as autoras:
Sandra Belo é Parent Coach (conferida pela ParenTalk e pela Parent Coaching Academy, no Reino Unido) e Life Coach (Coach Professional European Coaching Association, conferida pelo More Institute, Lisboa).
Mestre em Psicologia Escolar pelo Instituto de Educação e Psicologia da Universidade do Minho, centrou grande parte da sua actividade profissional na gestão de equipas pedagógicas e na formação comportamental de grupos. Foi docente do ensino superior nos cursos de psicologia e educadores de infância, e fez acompanhamento individual de crianças.
É mãe de 3 filhos, de 9, 7 e 6 anos.

Ângela Coelho é Parent Coach (conferida pela ParenTalk e pela Parent Coaching Academy, no Reino Unido) e Life Coach (Coach Professional European Coaching Association, conferida pelo More Institute, Lisboa).
Licenciada em Psicologia pela Faculdade de Psicologia e Ciências de Educação da Universidade de Lisboa, conta já com 12 anos de experiência de trabalho em gestão e dinamização e motivação de equipas. Desde que se tornou mãe pela primeira vez, em 2003, tem apoiadp outras mulheres durante a gravidez, o parto e pós-parto. Como voluntária, dinamiza há mais de um ano grupos de mães num espaço comunitário.
É mãe de 2 filhos, de 6 e 4 anos.

Mais informações em http://www.familycoaching.pt/
Ler mais »

Novidades

[Porto Editora] "Colecção Livros de Histórias Joe Carrot"

15:00



A Porto Editora publica, a 3 de Novembro, os primeiros três títulos da Colecção Livros de Histórias Joe Carrot, um êxito internacional do mesmo autor que criou a colecção de sucesso Geronimo Stilton. Chegam agora às livrarias: A Casa das Sombras, Um Minuto para a Meia-Noite e O Mistério do Garra Vermelha.
Primeiro que tudo, porque está a nascer mais um fenómeno junto dos mais novos (os livros são indicados para crianças a partir dos sete anos), importa saber quem é Joe Carrot. O nome dá parte da resposta: Joe Carrot é um coelho. Um coelho que trabalha como… detective. A sua agência, Carrot & Carrot, é a mais famosa de toda a cidade de Coelhópolis (é também a única…). Joe é ainda um pai de família atento, protagonista de histórias apaixonantes e divertidas, cheias de mistério e energia.
Nestes livros, é dada grande ênfase à importância da família, dos amigos, da ecologia e da protecção do ambiente.
Está prevista a publicação de, pelo menos, mais quatro títulos em 2011.

A Casa das Sombras
Uma história estranha em Coelhópolis! Qual é o segredo que Jeff Baffins, o escritor mais amado por todos os coelhinhos, esconde? Como é que o misterioso Mister One o chantageia? Para resolver o enigma, é necessário um detective com um faro excepcional: Joe Carrot!

Um Minuto para a Meia-Noite
Acreditam em bruxas? Não?! Bem, nem Joe Carrot! Na verdade, quando uma noite Rufo MacRábano aparece na agência Carrot & Carrot a pedir a Joe Carrot para resolver o mistério da Bruxa Rapina, Joe sente imediatamente o cheiro a cenouras queimadas!

O Mistério do Garra Vermelha
A Volta à Ilha Grande Cenoura em bicicleta está prestes a começar e Jane Carrot é uma das concorrentes! Joe e os filhos torcem por ela, mas um ladrão misterioso anda a rondá-los durante a noite e Joe deverá detê-lo, porque ele quer roubar precisamente… a bicicleta da Jane!
Ler mais »

Novidades

"Ao Princípio Era Eu" de António Victorino D’ Almeida - Autobiografia

14:27


Autor: António Victorino D’ Almeida
P.V.P.: 24,95 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-555-512-3
Nº de Páginas: 608
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Clube do Autor

Sobre a obra:
A sua genialidade, simpatia e irreverência, indissociável da bengala e do cabelo em desalinho, fazem de António Victorino d’ Almeida uma das figuras mais queridas do panorama artístico nacional. Pianista, compositor, maestro, escritor, realizador de cinema e de televisão, encenador, comunicador nato. Quem é, afinal, o homem por detrás de tantas criações?
Referência incontornável na vida cultural portuguesa, António Victorino d’ Almeida é conhecido sobretudo pela sua produção artística e literária (são muitas e variadas as suas incursões pelo mundo da música, do cinema, da literatura ou da televisão). Porém, Ao Princípio era Eu, a sua autobiografia, mais do que evocar todo esse percurso dá antes a conhecer o homem por detrás do profissional respeitado e multifacetado que é.
Mais do que revelar “o homem dos sete instrumentos”, como é conhecido, a autobiografia de António Victorino d’ Almeida mostra (em histórias e fotografias do seu álbum particular) o homem que era antes de se ter transformado naquilo que é hoje: uma das maiores figuras do panorama cultural português das últimas décadas. A infância, a juventude, a entrada na idade adulta, as primeiras paixões, está tudo nas mais de 600 páginas, fora extratextos, de Ao Princípio era Eu.

Sobre o autor:
António Victorino Goulart de Medeiros e Almeida nasceu em Lisboa a 21 de Maio de 1940. Aluno de Campos Coelho, finalizou o Curso Superior de Piano do Conservatório Nacional de Lisboa com 19 valores e diplomou-se em Composição pela Escola Superior de Música da cidade de Viena.
Pianista, compositor e maestro, é ainda autor da adaptação para teatro musicado de A Relíquia, de Eça de Queirós, e realizou o filme A Culpa - primeira longa-metragem portuguesa a vencer um festival de cinema no estrangeiro (Huelva, 1980).
Como escritor, publicou, entre outros, Histórias de Lamento e Regozijo, Coca-Cola Killer, Um Caso de Biografia, Polissário, Tubarão 2000, Memória da Terra Esquecida, O Que é a Música, Toda a Música que eu Conheço (2 vols.), Os Devoradores de Livros e Músicas da Minha Vida.
Escreveu, apresentou e realizou mais de uma centena de documentários culturais para a televisão, foi membro do júri do Concurso de Piano de Moscovo e é actualmente Presidente do Sindicato dos Músicos Portugueses.
Ler mais »

Novidades

"As Bicicletas em Setembro" de Baptista-Bastos

14:18


Autor: Baptista-Bastos
P.V.P.: 13,90 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-555-538-3
Nº de Páginas: 154
Dimensões: - x - mm
Colecção: -
Editora: Oficina do Livro

Só a memória nos pode salvar da perda e da solidão e devolver-nos o sonho


Sobre a obra:
Num bairro lisboeta inventa-se a felicidade em jogos de cartas numa obscura taberna, descobre-se a medo a iniciação sexual, vivem-se os pequenos dramas de um quotidiano triste, expõe-se a perversidade das relações humanas, sonha-se além das imagens que as nuvens vão construindo. Em jeito de homenagem, também, ao poeta Eduardo Guerra Carneiro, há ainda neste livro espaço para os sentimentos, para a partilha, para os afectos. E para a perda e para a solidão, porque ambas se confundem com a própria natureza humana.
Metáfora de um tempo que já não existe ou dos sentimentos que vamos, a cada geração, renovando, As Bicicletas em Setembro é uma obra povoada de imagens e lirismo intensos que confirma, uma vez mais, a importância de Baptista-Bastos na Literatura Portuguesa Contemporânea.

Excerto
«Aos sábados e aos domingos, longas e longas horas sozinha. Andava pela casa, de um para o outro lado, arrumando o que estava arrumado, limpando o que estava limpo. Nesses taciturnos furores, bebia copos de vinho tinto, ficava toldada e deitava-se a dormir: ressonava e a vizinhança escutava e comentava. Animava-se mais quando havia enterros. Se fosse mais do que um, então, preenchia com curiosidade a sua tenebrosa inquietação. Não saía da janela que dava para o largo, e benzia-se à passagem das carretas. Os acompanhantes observavam aquela mulher tão volumosa, cuja cabeça rapace e ásperas feições exprimiam beligerância.»

Sobre o autor:
Baptista-Bastos nasceu em Lisboa em 27 de Fevereiro de 1934. Aos dezanove anos, n'O Século, inicia uma intensa e aplaudida carreira de jornalista, mudando-se mais tarde para o Diário Popular, onde permaneceu vinte e três anos. Escreveu nos mais prestigiados jornais e revistas, colaborou em inúmeros programas de rádio, e na SIC conduziu o programa «Conversas Secretas».
Como jornalista, romancista e ensaísta é autor de duas dezenas de livros, cujo reconhecimento foi objecto de algumas das mais respeitadas distinções, de que se destacam o Grande Prémio da Crítica, o Grande Prémio da Crónica da APE, o Pen Club e o Prémio de Crónica João Carreira Bom.
Actualmente, é colunista do Diário de Notícias e do Jornal de Negócios.
Ler mais »

Novidades

[EN] Novidades Infantis para Novembro

13:59

Rafael e o Segredo de Leonor

Anik Le Ray / Rébecca Dautremer
Ao receber de herança a biblioteca de Leonor, Rafael está longe de imaginar que ela esconde o mais incrível segredo… Quando Alice, Pinóquio, o Capitão Gancho e todos os personagens dos seus contos preferidos ganham vida e começam a sair dos livros, Rafael nem quer acreditar. Contudo, uma terrível maldição cai sobre eles e só Rafael os pode salvar.
O filme do livro:
A história deste livro chegou ao cinema de animação, também pela mão de Rébecca Dautremer (www.rebeccadautremer.com), uma das ilustradoras mais reconhecidas da actualidade.
Filme: «Kerity – La Maison des Contes» (http://kerity-lefilm.com/site.php).
64 pág. | 24x30cm | capa dura | PVP: 15,50€


Angélica e o Desejo Mágico

Nicola Baxter / Marina Fedotova
Um verdadeiro conto de fadas! Uma aventura mágica onde os desejos se tornam realidade. Entusiasmantes páginas 3D convidam o leitor a voar com a Angélica, acompanhando-a na sua atribulada
viagem rumo ao Palácio da Fada Rainha…

10 pág./3D | 27,5x25cm | capa dura | PVP: 9,90€




A Princesa da Neve

Emily Hawkins / Lisa Evans
Uma jovem princesa, amaldiçoada com um coração de gelo, vive sozinha num palácio de neve. Muitos príncipes tentam resgatá-la da terrível maldição…
Mas, só encontrará a felicidade quando perceber que o amor está mesmo debaixo do seu nariz...

26 pág. | 30x30cm | capa dura | PVP: 16,60€
Ler mais »

Novidades

"Perfeitos" de Scott Westerfeld

11:46

Autor: Scott Westerfeld
P.V.P.: 17,06 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-668-013-8
Nº de Páginas: 296
Dimensões: 160 x 240 mm
Colecção: Uglies
Editora: Vogais & Companhia
O autor premiado Scott Westerfeld está de regresso. Depois de Imperfeitos ter deixado marca entre o público jovem adulto, chega finalmente às livrarias Perfeitos, o tão esperado 2.º volume da colecção Uglies, bestseller do New York Times com mais de 2 milhões de livros vendidos nos EUA.

Atraente, popular, perfeita. Ou uma perfeita aberração?

Sobre a obra:
Finalmente, Tally Youngblood é Perfeita. Tem um rosto e um corpo absolutamente fantásticos, o seu guarda-roupa é o máximo, o seu namorado é lindo e a sua popularidade está no auge. Tem tudo o que sempre quis! Mas por que será que apesar das festas constantes, do luxo da alta tecnologia e da liberdade completa subsiste a sensação de que algo não bate certo? Algo… importante! É então que Tally recebe uma mensagem do seu passado imperfeito e se lembra de tudo. A diversão acaba de imediato. Agora, ela tem de escolher entre lutar para esquecer o que sabe e lutar pela própria vida… É que as autoridades não pretendem deixar vivo alguém que saiba o que ela sabe.

Sobre o autor:

Scott Westerfeld, nascido no Texas (EUA), escreveu muitas obras aclamadas, incluindo a trilogia Midnighters, a série Uglies (quadriologia que a Vogais & Co. publicará em breve), e ainda uma nova trilogia (que também editaremos) que começa com Leviathan, um livro belissimamente ilustrado por Keith Thompson. Os seus livros foram nomeados pelo New York Times para integrar a lista «Notable Books of the Year» e ganhou os prémios Aurealis Award, Victorian Premier Award e Philip K. Dick Special Citation. As suas obras figuram regularmente nos tops de vendas nos EUA e noutros países. Scott é também designer e atualmente vive entre Nova Iorque e Sydney, na Austrália. Visite a sua página em www.scottwesterfeld.com.
Ler mais »

Novidades

"O Fim do Império Romano" de Adrian Goldsworthy

03:40


Autor: Adrian Goldsworthy
P.V.P.: 34,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-626-250-1
Nº de Páginas: 648 + 16 extratextos
Dimensões: 160 x 235 mm
Colecção: História Divulgativa
Editora: Esfera dos Livros
Se há um facto que as pessoas conhecem do Império Romano é que ele caiu. Foi no ano 476 d.C. que Rómulo Augusto, o último imperador do Ocidente, foi deposto e enviado para um exílio confortável. Por essa altura, já a maioria das províncias do ocidente tinha sido devastada pelos senhores da guerra germânicos. O mesmo destino abatia-se, agora, sobre Roma.
Como é que esta superpotência entrou em decadência e desapareceu é uma das grandes questões da História, uma porta aberta para compreendermos a ascensão e queda de outros impérios e países ao longo da História e daí retirar importantes lições para os dias de hoje.
Para Adrian Goldsworthy, autor de Os Generais Romanos – Os homens que construíram o Império Romano e César – A vida de um colosso, o colapso do Império Romano do Ocidente foi apenas o ponto final num processo que se tinha iniciado séculos antes.
Para nos ajudar a compreender melhor como tudo aconteceu convidámos o autor para vir a Lisboa nos dias 8 e 9 de Novembro.

Sobre a obra:
Esta épica história começa com a morte do imperador Marco Aurélio, em 180 d.C., quando Roma era, ainda, a única superpotência mundial e continua com uma longa e lenta decadência que atravessa o caos do século III, o Cisma do século IV e termina no século V com o colapso final.
Baseado numa rigorosa investigação, em textos da época e usando os mais recentes dados arqueológicos, o historiador Adrian Goldsworthy recria com perícia e vivacidade os últimos e violentos momentos do mundo romano.

Sobre o autor:
Adrian Goldsworthy estudou no St. John’s College Oxford e leccionou em várias universidades. Publicou diversas obras como The Roman Army at War, Roman Warfare, The Punic Wars (publicado como The Fall of Carthage em livro de bolso), Cannae. A Esfera dos Livros editou em Portugal a obra Generais Romanos, que se encontra já em 2. ª edição, e César, A vida de um colosso. Esta última foi escolhida pela Society for Military History para o Distinguished Book Award para biografia e memórias de guerra.
Ler mais »

Novidades

"Sá Carneiro" de Miguel Pinheiro

03:32

Autor: Miguel Pinheiro
P.V.P.: 32,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-626-255-6
Nº de Páginas: 784 + 28 extratextos
Dimensões: 160 x 235 mm
Colecção: História Séc. XX
Editora: Esfera dos Livros

Sobre a obra:
Aos 46 anos, no dia 4 de Dezembro de 1980, Francisco Sá Carneiro, fundador e líder do PSD, morreu em Camarate. Junto de Snu Abecassis, a mulher por quem se apaixonou e por quem desafiou a Igreja, a família e a sociedade. Os que o seguiam viam-no como a única esperança da democracia. Os que o combatiam criticavam-lhe a intransigência com que fazia política. A sua morte, há exactamente 30 anos, ficou envolta em mistério e polémica - e fez dele um mito.
Depois de cinco anos de pesquisa exaustiva - através da recolha de fotografias e documentos nunca vistos, perdidos em arquivos privados, e de 76 entrevistas aos familiares mais próximos, a amigos de infância, a companheiros e a adversários -, o jornalista Miguel Pinheiro traça a biografia completa, pessoal e política, de Francisco Sá Carneiro.
Neste livro, ficamos a conhecer os episódios até agora desconhecidos da vida do homem que durante onze meses foi primeiro-ministro de Portugal: a depressão que sofreu e tentou esconder a seguir ao 11 de Março de 1975, a decisão de ocultar o romance com Snu por receio de perder umas eleições, as cartas inéditas do divórcio, a tentativa de declarar a nulidade do casamento no Vaticano, a forma como gostava de desafiar a morte em avionetas e helicópteros e os detalhes dos violentos confrontos políticos com Álvaro Cunhal, Ramalho Eanes e Mário Soares.

Sobre o autor:
Miguel Pinheiro é director da revista Sábado. Licenciado em Direito pela Universidade de Lisboa, começou a trabalhar em jornalismo no semanário O Diabo. Passou pelo extinto diário A Capital, onde foi repórter e editor de política, sociedade e internacional, e exerceu o cargo de director adjunto do jornal 24 Horas. Colaborou com vários outros meios de comunicação social, nomeadamente com O Independente, a Maxmen e as revistas brasileiras República e Bravo!. Recebeu o prémio Grande Reportagem atribuído pela revista Grande Reportagem.
Ler mais »

Novidades

"Longe do Meu Coração" de Júlio Magalhães

03:30

Autor: Júlio Magalhães
P.V.P.: 18,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-626-250-1
Nº de Páginas: 220 + 8 extratextos
Dimensões: 160 x 235 mm
Colecção: Romance
Editora: Esfera dos Livros
. Júlio Magalhães um autor de referência no actual panorama da ficção portuguesa em temas fundamentais dos séc. XX português.

. Romance retrata com mestria e realismo o drama da emigração portuguesa para França nos anos 60.

. Uma história de amor e determinação.

. Apresentação no dia 29 de Outubro no Consulado de Paris.

Sinopse:
Joaquim não queria acreditar no que os seus olhos viam. Tinha saído a salto de Portugal, viajado apertado em camionetas de gado, andado quilómetros e quilómetros a pé, à chuva e à neve, quase tinha perdido a vida nos Pirenéus e agora estava ali. Na capital portuguesa em França. O sítio onde, todos lhe garantiam, podia enriquecer e concretizar os seus sonhos. Mas o que via era um bairro de lata. Sentia os pés enterrarem-se na lama. Olhava para as barracas miseráveis e para os fardos de palha que faziam as vezes de uma cama. Mas, Joaquim não estava disposto a baixar os braços. Em Longe do meu Coração retrata com mestria e realismo, o quotidiano dos portugueses que partiram em busca de uma vida melhor, sonhando um dia regressar ricos à terra que os viu partir pobres. Para Joaquim, Portugal estava longe. Era ali, em França, na terra que lhe dava de comer, que queria vingar, que prometia, à força do seu trabalho, derrubar fronteiras e preconceitos. O plano estava traçado. Iria abrir uma empresa de construção, com o seu amigo Albano, enriquecer e, depois de ter casa montada com carro com emblema no capô, estacionado à porta, iria pedir a mão da sua Françoise, a professora de Francês que lhe abriu o mundo das letras e do amor. Mas, cedo Joaquim vai descobrir que há barreiras difíceis de ultrapassar.

Sobre o autor:
Júlio Magalhães é Director de informação da TVI e autor de Os Retornados – Um amor nunca se esquece, em 15ª edição e Um Amor em tempos de guerra, em 10ª edição, dois bestsellers com mais de 75.000 exemplares vendidos. Nasceu no Porto a 7 de Fevereiro de 1963, foi para Angola com 7 meses. Em 1975 regressou a Portugal, para a cidade do Porto. Aos dezasseis anos, iniciou a sua carreira como colaborador de O Comércio do Porto na área do desporto. Dois anos depois integrou os quadros do mesmo jornal. Trabalhou no jornal Europeu, no semanário O Liberal, na Rádio Nova. Estreou-se na RTP em 1990, onde, foi jornalista, repórter e apresentou o programa da manhã e o Jornal da Tarde.
Ler mais »

Novidades

"Mulheres que amaram demais" de Helena Sacadura Cabral

03:30


Autor: Helena Sacadura Cabral
P.V.P.: 24,00 €
Data 1ª Edição: 2010
Nº de Edição:
ISBN: 978-989-626-254-9
Nº de Páginas: 240 + imagens das 9 mulheres
Dimensões: 160 x 235 mm
Colecção: História Divulgativa
Editora: Esfera dos Livros
. Helena Sacadura Cabral regressa à biografia, género que desenvolve com mestria e apresenta-nos Mulheres que Amaram Demais.

. Marie Curie amou a ciência, Gala Dalí entregou-se à arte, a actriz Marlene Dietrich amou homens, mulheres e a sétima arte e Madre Teresa de Calcutá entregou-se a Deus

. A autora conta-nos a história destas extraordinárias 9 mulheres, com a sua visão sempre actual e irónica da realidade.


Sinopse:
O amor é um conceito intrigante. Existem diversas formas de amar, diferentes objectos de amor, formas díspares de viver e sentir este sentimento universal.. São mulheres que, durante o século XX, algumas delas muito à frente do seu tempo, amaram sem limites, nem preconceitos, desafiando convenções e modelos estabelecidos, entregando-se de corpo e alma à sua paixão. Depois do enorme sucesso de As Nove Magníficas, Helena Sacadura Cabral apresenta-nos Mulheres que Amaram Demais. Marie Curie amou a ciência acima de tudo, Gabrielle Chanel, a moda, Marguerite Yourcenar, a sua literatura, a extravagante Gala Dalí entregou-se à arte, Jacqueline Kennedy Onassis viveu sempre perto de homens de poder, a misteriosa Wallis Simpson deixou-se fascinar pelo estatuto e pela riqueza, Golda Meïr amou a terra, o povo e um projecto político, a actriz Marlene Dietrich amou homens, mulheres e a sétima arte, já Madre Teresa de Calcutá entregou-se a Deus e ao outro, sem limites. É a história destas extraordinárias mulheres, o modo como se entregaram ao amor físico, carnal, erótico e sensual, como viveram ao lado de homens e mulheres, companheiros que nunca lhes fizeram sombra, mas que serviram os seus propósitos, a forma como perseguiram os seus objectivos profissionais e de vida.


Sobre a autora:
O que é que define uma vida profissional? No caso de Helena Sacadura Cabral, é difícil dizê-lo. Economista de formação, ensinou na universidade o que, enquanto tal, aprendeu. Mas temperou esse ofício com aquilo que a vida lhe ensinou. Por gosto, é também cronista na imprensa e na rádio. E ainda escreve livros. Até à data, nove já publicados. Sobre aspectos variados da sociedade que nos rodeia que vão da economia à política, da sociologia à gastronomia, enfim, do reflectir ao sentir.
Qual é, então, a profissão que lhe deve ser atribuída? A esta pergunta, Helena responde que a sua carreira se define numa palavra: «existir»!

Ler mais »

Follow on Facebook